4 maneiras de proteger seu imóvel da parede torta

A parede torta integra o grupo de problemas relativamente comuns nas obras. O proprietário do imóvel percebe muitas vezes apenas no momento em que o serviço é entregue.

Imagine a frustração de tentar fechar a porta do quarto e simplesmente não conseguir. Ou ainda ter de gastar mais na hora de fazer piso, forro e pintura do imóvel. Essas são somente duas das dores de cabeça causadas pela parede torta.

Em casos extremos, a parede torta oferece riscos para a estrutura do imóvel. Aí não tem jeito: a recomendação é derrubar tudo para construir novamente. Antes de partir para essa solução, assegure-se de que a parede pode realmente ser derrubada.

O blog da EMONO reúne abaixo quatro formas de proteger seu imóvel da parede torta.

 

1) Fiscalize o trabalho do pedreiro

O pedreiro não pode confiar no olho ou agir na base do achômetro ao construir a parede. Para assegurar o alinhamento das paredes, ele deve usar linha, nível, prumo e esquadro.

Durante a construção, exija que esse profissional verifique se sua parede está reta nos três sentidos necessários: vertical, horizontal e no ângulo de encontro de duas paredes, que deve ter geralmente 90 graus.

 

2) Compre material de qualidade

Essa dica costuma estar presente em nossos posts. Não adianta contar com a melhor equipe de construção se os materiais utilizados são ruins. Blocos ou tijolos baratos são de péssima qualidade. A perda desse material por quebra é considerável, o que significa que a economia não vale a pena.

 

3) Não confie no “eu acerto com a massa”

Tem profissional por aí que diz a frase “eu acerto na massa” ao perceber que a parede ficou torta. Esse pedreiro coloca o tijolo, sem usar nenhuma das ferramentas necessárias como nível, prumo, linha e esquadro. Trabalhar assim vai gerar erro na certa.

O excesso de massa, aliás, causado pelo “eu acerto na massa” torna o revestimento muito grosso. Nessa situação, a chance de descolamento e queda do revestimento é maior. Sem contar o aparecimento de rachaduras depois que a obra acabar.

 

4) Formalize o serviço em contrato            

Redija um contrato simples de prestação de serviço. O documento permitirá a você exigir reparos ou procurar posteriormente os órgãos de defesa do consumidor caso o serviço não saia como o planejado.

 

Ficou com alguma dúvida? Use o espaço de comentários. Nosso especialista Eduardo ajudará você!

Leia também o post “5 casos de reforma que desvalorizam o imóvel”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *